Exatas

Engenharia - Engenharia Elétrica - 26 de setembro de 2022

A Condição de Polarização Reversa em Diodos

A polarização o aumento da barreira de potencial, por isso, torna-se mais difícil o fluxo através da junção, de elétrons injetados pela fonte no lado p e de lacunas no lado n.

Como resultado, a corrente através do diodo tende praticamente a um valor nulo.

Quando uma tensão for aplicada à junção p-n de maneira que o terminal positivo seja conectado ao material do tipo n, e o terminal negativo ao material do tipo p.

O número de íons positivos expostos na região de depleção do material do tipo n aumentará.

Isso é devido ao grande número de elétrons livres atraídos para o potencial positivo da tensão aplicada.

Similarmente, o número de íons negativos encontrados aumentará no material do tipo p.

O resultado, portanto, será um alargamento da região de depleção.

Esse alargamento estabelecerá uma barreira grande demais para ser superada pelos portadores majoritários (tipo n), efetivamente reduzindo o fluxo deles a zero.

Entretanto, o número de portadores minoritários (tipo p) que entram na região de depleção não mudará, resultando em vetores de fluxo de portadores minoritários da mesma magnitude, sem tensão aplicada.

A corrente existente sob condição de polarização reversa é chamada de corrente de saturação reversa e representada por Is.

A corrente de saturação reversa raramente tem mais do que alguns microampères e é comumente em nA, exceto para dispositivos de alta potência.

O termo saturação vem do fato de que seu nível máximo é atingido rapidamente e não se altera significativamente com o aumento no potencial de polarização reversa.

Note que o lado negativo da tensão aplicada está conectado ao material do tipo p, e o lado positivo ao material do tipo n, sendo que a diferença nas letras sublinhadas para cada região revela uma condição de polarização reversa.